terça-feira, 5 de abril de 2011

Pacu c/ cerveja

Ingredientes:


1 pacu c/ 2 kg

½ xícara de óleo

4 tomates grandes

2 cebolas

1 pimentão

2 cx creme de leite

1 cx milho verde

12 cervejas

1 mulher



Preparo:

Coloque o peixe,todos os outros ingredientes e a mulher

na cozinha.

Reserve asa cervejas.

Tranque a porta da cozinha e comece a tomar as cervejas,

Deixe a mulher sair apenas quando for hora de servir.



Obs: assegure-se de que o hospital mais próximo esteja de plantão.


O milagre deverá se concretizar?


Um dia destes ouvi no rádio um programa religioso,por sinal muito bem apresentado, com vários assuntos sendo tratados.


Muitos ouvintes participavam pedindo ou agradecendo graças alcançadas.

Em dado momento uma ligação chamou-me a atenção,quando certa senhora agradecia à Santo Expedito o seu pedido,a graça havia sido concedida.

Agora vejam o que tinha sido requerido para que Santo Expedito intercedesse e conseguisse o objetivo: o marido da referida senhora já tinha sido reprovado várias vezes nos exames para tirar a CNH, devido a alguns problemas de saúde e principalmente por estar com depressão.

O fato de ter conseguido ser aprovado, foi, na concepção desta senhora, devido a intercessão do santo.

Agora questiono: Esta senhora pensou no perigo de colocar uma pessoa, com problemas, no trânsito caótico em que vivemos?

E o santo?

Participou do esquema?

Não deveríamos focar nossa religiosidade em coisas mais fundamentais?






Irmã fofoqueira


Todos conhecem a fama de japonês ser pouco dotado.


Um amigo meu passou por uma saia justa,quando em uma festa aqui em minha cidade,que particularmente tem uma grande quantidade de descendentes nipônicos,em meio do povo quis tirar um sarrinho de um.

-É verdade que japonês tem o bilau pequeno?

Resposta do japonês:

-Mas tua irmã já é fofoqueira...


APRENDIZAGEM



De uma forma positiva, aprendi que não importa o que aconteça ou quão ruim pareça o dia de hoje, a vida continua, e amanhã será melhor.


Aprendi que não importa o tipo de relacionamento que se tenha com seus pais, você sentirá falta deles quando partirem.

Aprendi que « saber ganhar » a vida, às vezes não é a mesma coisa de

« saber viver ».

Aprendi que a vida, às vezes, nos dá uma segunda chance.

Aprendi que se procurar a felicidade, vai se iludir.

Mas, se focar a atenção na família, nos amigos, nas necessidades dos outros, no trabalho e procurar fazer o melhor, a felicidade vai encontrá-lo.

Aprendi que sempre que decido algo com o coração aberto, geralmente acerto.

Aprendi que diariamente preciso alcançar e tocar alguém.

As pessoas gostam de um toque humano, de segurar a mão, de receber um abraço afetuoso ou simplesmente de um tapinha nas costas.

Aprendi que ainda tenho muito que aprender.

As pessoas esquecerão do que disse.

Esquecerão o que você fez.

Mas nunca esquecerão como você

as tratou.

(desconheço o autor)